Ao começar a ler “Fluir” de Mihaly Czikszentmihalyi (sim, é este o nome de um dos mais importantes autores da Psicologia Positiva), deparei-me com o seguinte trecho,

Há dois mil anos e trezentos anos, Aristóteles concluiu que os homens e as mulheres procuram acima de tudo a felicidade(…) outros objetivos – saúde, beleza, dinheiro ou poder – só tem valor porque esperamos que nos façam felizes. (…) Não compreendemos hoje melhor a felicidade do que Aristóteles e, quanto a aprender como alcançar esse estado abençoado, quase poderíamos dizer que não fizemos qualquer progresso.”

Mas vejamos no seguinte vídeo, de 2004, a sua explicação cientifica para esta possível realidade.