Publicado com a permissão de http://www.musicaemdx.pt

A noite de segunda-feira trouxe consigo a chuva e o vento, mas a passagem dos Sextile, oriundos dos Estados Unidos e neste momento sediados em Los Angeles, pelo Sabotage Club, fez com que mais de uma centena de pessoas abandonassem os seus sofás entre outras coisas a favor de mais uma noite cheia de emoções e energias fortes, ásperas e quentes. Estas casas cheias numa noite de segunda-feira não deixam ninguém indiferente, e se deixam, não deveriam de deixar.  São noites que se saboreiam de uma forma diferente para a maioria e que deixam a sua marca distinta.

20180226 - Sextile @ Sabotage Club

A sonoridade dos Sextile produz um impacto duradouro e extravagante. Um impacto que se sente no corpo todo, que nos entra na cabeça através dos estampidos da bateria de Melissa e dos sintetizadores de Eddie e que a voz de Brady e a guitarra de Cameron fazem explodir em nós.

Passaram por Portugal, estiveram no Porto no domingo e em Lisboa na segunda para os últimos concertos da tour do segundo álbum, Albeit Living, que foi editado em Agosto passado, e fazem questão de o dizer, como se nos estivessem a avisar que esta noite poderá ter muito mais nela que apenas mais um concerto a uma segunda feira no Cais do Sodré.

20180226 - Sextile @ Sabotage Club

E não, isto não é apenas mais uma noite, mais um concerto, mais uns copos a ouvir música. Os Sextile são intensos. Intensos daquela forma que até o nosso corpo estranha essa mesma intensidade. Intensos de uma forma que se mete debaixo da nossa pele, um incómodo necessário para continuar vivo ou para não cair no abismo.

Existem muitos momentos, sem luz, muitos momentos com uma luz ténue e em quase todos os momentos uma luz que pulsa mais forte que o ritmo.

20180226 - Sextile @ Sabotage Club

Arrebatadores, cheios de uma ira intensa e apaixonada, soam exactamente como eu imagino que soa quase toda a América soa neste momento, revoltada, agitada, nervosa. Prontos a explodir a qualquer momento.

One Of These é quase isso, e Who Killed Six é exactamente isso.

A casa enche um pouco mais à medida que o concerto avança, assim como a energia explosiva que emana especialmente de Brady, como se ele fosse o escape dos outros membros da banda, como se por ele fluísse toda a electrizante batida.

20180226 - Sextile @ Sabotage Club

Ripped e Sterilezed, assim a menos de um metro de distãncia da banda, a observar as expressões de cada um deles, têm uma batida hipnótica, arrojada, industrial puxada pelos sintetizadores que Eddie e Cameron dirigem.

Mellissa conduz com ritmo completamente certo a energia entusiasmada de Eddie que ataca os seus sintetizadores com um sorriso na cara enquanto produz e reproduz a repetição ampliada, aumentada pela guitarra de Cameron e a voz de Brady parece estar quase sempre no ponto de ruptura como se a qualquer instante fosse sucumbir à sua própria revolta.

Quiseram sair sem um encore mas não era possível. Como poderiam sair sem um encore no último concerto da tour? Como poderiam sair sem um encore depois de um concerto assim?

O concerto foi curto, pouco ultrapassou os sessenta minutos, todos eles intensos, electrizantes, repetitivos, duros, ásperos. Intensos. Intensos como se estivéssemos uma hora a olhar para o fundo do abismo enquanto o nosso coração quase chega à boca para que no último momento, quando tudo cessa possamos respirar fundo e querer mais.

Queremos mais.

Texto – Isabel Maria
Fotografia – Luis Sousa