Com a crescente procura, os discos de vinil regressaram ao mercado e, principalmente, à moda – não é à toa que no ano anterior se venderam mais vinis do que cd’s, em Portugal.
Para dar resposta a este aumento de procura do vinil, as marcas de audio responderam de imediato, colocando no mercado um vastíssimo número de produtos , adaptáveis a todas as carteiras.
Vou deixar alguns exemplos de gira discos que farão as delícias dos apreciadores do “velhinho” vinil.
Assim, e para que ninguém fique de fora, a alemã Pro – Ject lançou o multipremiado Elemental, que se encontra à venda em imensos locais, Fnac, Worten etc., com um custo que ronda os 150/200 euros.
Se pretende um produto já com maior qualidade , a inglesa Rega, disponibiliza o sua gama Planar que está disponivel a partir de 250 euros, dependendo da exigência de cada um.
Como nos anos 90 o vinil caiu em desuso, muitos dos fabricantes de audio, deixaram de incorporar nos seus produtos uma entrada phono.
Esta lacuna foi por isso aproveitada pelos fabricantes de gira discos e outros, para criarem um produto que fosse ligado a uma fonte Aux, presente em todos esses amplificadores, e assim oferecer aos consumidores de vinil uma alternativa dedicada.
Assim e para os leitores que tenham um amplificador nesta situação, tem a oportunidade de adquirir uma fonte independente de phono, por exemplo da Nad , o PP2 , 100 euros , ou da Rega , o Fono MM ou MC, dependendo da agulha que se utilize, por valores que rondam os 250 euros.
Espero que este artigo possa contribuir para que todos mantenham a sua paixão pelo fantástico vinil.

NAD PP-2