Filme de João Monge, in Vimeo.

Em tempos que parecem estranhos, cada passo ficou retido em cada pensamento. Sentimos que a essência do medo se apodera de nós, como uma sombra que toma o nosso corpo. Ficamos inertes perante a sensação de ficarmos ansiosos, em conflito com os sentimentos, com a nossa mente. Sentimos Medo. Medo de perder, medo de morrer, medo de esquecer, medo de ficarmos doentes, medo de falta de proteção, de que toda a proteção do mundo não chegue para nos impedir de cair…

Mas o Medo tem uma substancia grandiosa. O Medo é a Historia que contamos a nós próprios durante um tempo indefinido. Uma Historia baseada numa “verdade” sem ser VERDADE, que acreditamos, mas que não sentimos como sendo nossa…e isso assusta-nos. O Medo é a oportunidade de nos recriarmos, de nos fundirmos com algo maior que o nosso próprio medo: a Nossa Coragem! A nossa Fé! A Fé que é a centelha da nossa existência! Quem somos e como Somos! E não há medo que a negue ou apague!

Olhar o medo é olharmos-nos enquanto seres, enquanto existência.

Cada momento de medo é um momento de sermos nos próprios,

de sermos gente que escorrega mas levanta-se,

de sermos gente que se atormenta mas ultrapassa,

de sermos gente que se derrota mas vence aprendendo as lições,

de sermos gente que após a presunção, sabemos ser humildes e solidários,

de sermos alpinistas e cairmos do mais alto ponto que a vista alcança…

mas reerguermo-nos de novo, limparmos as feridas e todo o pó que o vento dos dias traz, e…

SUBIMOS DE NOVO! PORQUE SOMOS MAIS FORTES QUE O NOSSO MEDO!