Começa aqui um dos dois novos blocos deste site. Este será um Diário sobre este momento e estes tempos que vivemos confinados, mas acima de tudo um diário de acreditar, de querer e de reflexão. E pego nesta ultima palavra para reforçar que este Diário apenas surge agora, porque fez sentido a este projeto e no seguimento da ideia deste site, criar um bloco de artigos onde pudéssemos criar ideias de reflexão sobre este período, este desafio e todos aqueles que virão. Este será sempre um diário positivo. E desde logo começando pelo seu titulo. O equilíbrio, aquela sensação que desejamos alcançar e importante para tempos como este.

Mas vamos ao dia 1… o planeta.

Partilho convosco um pedaço do “Jornal da Noite” da TVI ( passo a publicidade), que passou no dia da Terra. E de fato, após os últimos anos andarmos numa discussão acérrima sobre a sustentabilidade do planeta, eis que um vírus, o invisível, chega de mansinho e muda radicalmente a vida de toda a Terra. A nossa, a dos mares e oceanos, das florestas e das plantas, dos animais, da atmosfera.

E como refere José Alberto Carvalho, o planeta respirou num suspiro de alivio. E hoje a reflexão do diário é esta: Respirar!

A respiração é um ato de viver. Todos os seres vivos necessitam de respirar para viverem. E nós, como animais racionais não escapamos. E eis que chega um vírus que nos afeta o orgão principal da respiração.

Há quanto tempo, o mundo ocidental, procura formas de se encontrar consigo mesmo, através de meios e praticas, difundidas ou não pelo oriente, para nos centrarmos, nos encontrarmos, nos equilibrarmos? E todas estas praticas baseiam-se num ato fundamental, a respiração.

Base do Ioga – Respiração

Base do Mindfulness – respitação

Base da Meditação – respiração

Base da vida – Respiração.

E chega um virus que nos condiciona a respiração, que nos rouba a respiração. E não escolhe cultura, raça, género, escolhas de vida, sociedades, países…varre tudo. E leva-nos a ficar assustados, recolhidos, defensivos, confinados. E ficamos presos nos nossos próprios medos, nas nossas próprias sombras, nos nossos próprios conflitos. E lá fora, o planeta suspira e respira. E nós fechados, sentimos necessidade de “respirar”.

Mas e antes? Respirávamos quando corríamos, em stress? Respirávamos quando mergulhávamos numa espiral de passado-futuro, futuro-expectativas, expectativas-desilusões? E nesses momentos, dávamos conta da nossa respiração?

Finalizando este primeiro dia… fica a proposta de reflexão…baseado no que acabou de ler…

Sente-se num lugar e de forma confortável. Procure estar sossegado(a). Feche os olhos e concentre-se na sua própria respiração. E observe calmamente a respiração.

MUITO IMPORTANTE: Não julgue nada…nem pensamentos, nem o comportamento da sua mente. Apenas observe.

E não conte o tempo, quando sentir que terminou, pare e abra os olhos serenamente.

Agora pegue num pedaço de papel e uma caneta, e procure escrever o que sente nestas perguntas,

O que sente quando respira?

Onde tem estado “escondida” a sua respiração?

O que sente quando se dá conta da sua respiração presente?

O que pensa fazer para tratar melhor a sua respiração e como ela o(a) pode ajudar a sentir-se mais presente no seu dia a dia?

Boas reflexões. E deixo-vos um video sobre respirar…até amanhã.