De dedo em dedo

Vais tecendo os sentimentos

Entre linhas que aspiram as paixões e as borboletas

De asas partidas que se enrolam no peito

Pelos teus dedos

O teu corpo de mulher se avizinha

Pela sombra escondida 

Natureza morta pela nascença que não permite

Que sejas bonita pela manhã e bela pelas tardes 

Onde o sol reflete o seu anoitecer 

Nesse horizonte de seres forma e doce feminina

Pelo tecer do teu pano

Vem preto, negro vestido que assombra o teu íntimo

De ignorância e triste destino

De dedo em dedo

Vais tecendo os sonhos que não podes criar

Ou as ilusões que não deves amamentar

Pois na tua sede de gritar

Amarram-te a voz pelo tecido que

De dedo em dedo

Foste tecendo mesmo debaixo do teu olhar.